A consciência e a mensagem divina

Eu sempre desconfio de quem traz uma mensagem divina sem nenhuma dúvida. Isso porque qualquer pessoa normal possui uma consciência volúvel, até um tanto fragmentária e sujeita a inconstâncias. Ninguém possui uma unidade de consciência tão forte a ponto de conseguir manter uma certeza inabalável de algo tão sutil quanto uma mensagem vinda da transcendência. Isso porque há a influência do tempo, que afasta a mensagem carregada de sua emissão, fazendo com que diversas circunstâncias e interferências atuem sobre ela, causando um óbvio enfraquecimento de seu poder originário. Há, ainda, as próprias demandas internas do mensageiro, que atuam constantemente, podendo contradizer a revelação ou mesmo confundi-la.Profeta em dúvida

Apenas um pessoa extraordinária, fora do comum mesmo, conseguiria manter uma certeza inabalável diante de uma mensagem divina que carregasse consigo, apenas em sua mente. A realidade é assim e negar isso é negar a própria natureza humana. Como dizia Chesterton, só os loucos nunca têm dúvidas. E como diz a Bíblia, o profeta está sujeito ao seu próprio coração.

Se alguém diz carregar uma revelação divina especial, ao menos para mim, ela terá muito mais credibilidade se fizer isso com humildade suficiente para permitir que se coloque em dúvida a autenticidade da mensagem. No mínimo, que se permita avaliar se nessa mensagem não há alguma interferência humana, como por diversas vezes é relatado nas Escrituras.

Não vejo porque Deus não poderia falar por meio de seus filhos ainda nos tempos atuais. Isso é prerrogativa divina! O que não dá para aceitar é que a palavra de alguém que se diga portador de um recado de Deus seja considerada indubitável e infalível, só por que ele diz que assim o é.

Deixe um comentário